Terms & Conditions

We have Recently updated our Terms and Conditions. Please read and accept the terms and conditions in order to access the site

Current Version: 1

Privacy Policy

We have Recently updated our Privacy Policy. Please read and accept the Privacy Policy in order to access the site

Current Version: 1

Paulista - SP

Brasilia - DF

EnglishעִבְרִיתPortuguêsEspañol

Como enfrentar o fenômeno dos ataques às escolas? – Jornal da USP

20231116_Daniel_Caraa.jpg


No dia 3 de novembro, o Ministério da Educação (MEC) publicou o relatório Ataques às escolas no Brasil: análise do fenômeno e recomendações para a ação governamental. O documento, cuja relatoria ficou sob minha responsabilidade, foi elaborado por um amplo grupo de trabalho composto de 68 pessoas, estabelecido por meio da Portaria MEC 1.089/2023.

O principal objetivo do documento é colaborar com a formulação de políticas públicas para o enfrentamento de um problema grave: de 2002 a outubro deste ano, o Brasil enfrentou 36 ataques de violência extrema às escolas, com 37 comunidades escolares vitimadas. Ao todo, 49 pessoas foram mortas e 115 foram feridas. Conforme a análise dos casos, os ataques vitimaram tanto escolas públicas quanto estabelecimentos privados de ensino.

Diante dos dados analisados no relatório, é possível constatar: desde 2017, a perspectiva no Brasil não é “se” vai acontecer um novo ataque, mas “quando” acontecerá. Apenas em 2023, com ano letivo ainda inconcluso, tivemos 16 ataques, mais do que o dobro do número observado em 2022, com sete. Consequentemente, é possível concluir: o fenômeno dos ataques às escolas está distante de arrefecer.

Diante disso, duas perguntas emergem: quais as causas do fenômeno e como é possível enfrentá-lo?

As causas do fenômeno podem ser resumidas facilmente: começam com um clima escolar ruim, pautado por violências nas escolas, e seguem para a cooptação de adolescentes e jovens por subcomunidades extremistas na internet. Agravam a situação a conivência das plataformas digitais com a disseminação de conteúdos de ódio e a permissividade do Estado brasileiro em relação à violência, à cultura armamentista e ao extremismo. Esses são os principais elementos que estabeleceram as condições para a emergência e o enraizamento dos ataques.

E o que é preciso fazer?

Segundo o relatório, com urgência, os governos e o sistema de Justiça devem envidar esforços tanto para desarticular subcomunidades extremistas como para controlar armas de fogo e responsabilizar plataformas digitais.

O parlamento brasileiro deve atualizar as leis sobre crimes de ódio (Lei nº 7.716/1989) e bullying (Lei 13.185/2015), além de pressionar o poder Executivo a regulamentar e implementar o Sistema Nacional de Acompanhamento e Combate à Violência nas Escolas – Snave (Lei 14.643/2023) e a Lei 14.644/2023, que trata da instituição de Conselhos Escolares e de Fóruns de Conselhos Escolares.

Concomitantemente, o Ministério e as Secretarias de Educação de Estados e municípios devem estabelecer políticas para promover a gestão democrática das escolas e para resolução pacífica de conflitos no ambiente escolar, além de criar programas para formar professores e familiares sobre as violências nas escolas, em parceria com as universidades.

Em um esforço conjunto da sociedade e do Estado brasileiro, é imprescindível melhorar as condições de oferta do ensino, promover a saúde mental dos estudantes e dos profissionais da educação, bem como é preciso acordar procedimentos para a cobertura midiática sobre o fenômeno (evitando o “efeito contágio”), além de promover a educação crítica das mídias.

Por último, também é preciso fortalecer a inteligência para prevenir e punir crimes de ódio, além de elaborar protocolos de acolhimento pós-ataques.

Essas são medidas emergenciais, capazes de dar uma resposta efetiva para o enfrentamento de um fenômeno dramático e que causa angústia no País. Cabe agora aos poderes públicos envidar esforços para cumpri-las. E ao MEC, divulgar e implementar as proposições do documento.

________________
(As opiniões expressas nos artigos publicados no Jornal da USP são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem opiniões do veículo nem posições institucionais da Universidade de São Paulo. Acesse aqui nossos parâmetros editoriais para artigos de opinião.)





Source link

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Print
plugins premium WordPress