Terms & Conditions

We have Recently updated our Terms and Conditions. Please read and accept the terms and conditions in order to access the site

Current Version: 1

Privacy Policy

We have Recently updated our Privacy Policy. Please read and accept the Privacy Policy in order to access the site

Current Version: 1

Paulista - SP

Brasilia - DF

EnglishעִבְרִיתPortuguêsEspañol

educação que transforma histórias e melhora o País – Jornal da USP

20231121_professores.jpg


Recentemente, a Lei 14.723/2023 foi sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Muitas discussões pertinentes ocorreram nos movimentos sociais e em diferentes segmentos da área da educação brasileira acerca das mudanças que irão, certamente, aprimorar os mecanismos de acesso e permanência às pessoas negras (pretas e pardas), indígenas, quilombolas e pessoas com deficiência, seguindo como norte a distribuição das vagas com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) às universidades do nosso país.

Dentre as mudanças também aprovadas está a inclusão de cotas para a pós-graduação e prevê prioridade para recebimento de assistência estudantil para estudantes cotistas. Dados do último Censo de 2022 do IBGE apontam que 56% da população brasileira é negra (pardos = 45,3% e pretos = 10,6%), e esta é a mesma comunidade para o IBGE com maior porcentagem de pessoas em extrema pobreza, baixa renda e baixo acesso à educação.

O projeto apesar de aprovado contou com votos contrários de alguns senadores. Mas por que existem pessoas que querem acabar com a lei de cotas? Mesmo sabendo, desde quando nasceram, que o Brasil sempre foi um país desigual e racista, muitas pessoas que são contra a lei de cotas alegam que estas causam mais desigualdade e que não resolvem o “problema” dos negros. Já enfatizamos que é um discurso errôneo!

De acordo com dados do anuário estatístico de 2022 da Universidade de São Paulo (USP), 5.151 é o número total do quadro de docentes ativos, e no que tange à autodeclaração de raça/cor, 4.699 (91,23%) se autodeclaram brancos(as), 192 (3,73%) amarelos(as), 93 (1,80%) pardos(as), 28 (0,54%) pretos(as), 2 (0,04%) indígenas e 137 (2,66%) não informaram. Para a pós-graduação, são 37.238 discentes matriculados(as), dos quais 13.960 (37,49%) se autodeclaram brancos(as), 611 (1,64%) amarelos(as), 2.592 (6,96%) pardos(as), 936 pretos(as) (2,51%), 78 (0,21%) indígenas e 19.061 (51,19%) não informaram. Já entre os(as) pós-doutorandos(as), com 4.021 matriculados(as), 1.148 (28,55%) se autodeclaram brancos(as), 51 (1,27%) amarelos(as), 124 (3,08%) pardos(as), 31 pretos(as) (0,77%), 3 indígenas (0,07%) e 2.664 (66,26%) não informaram. Se bem observarmos, os números de pessoas pretas e pardas ainda são bem menos presentes em todas as categorias da comunidade científica da USP, evidenciando mais uma vez que precisamos avançar para incluir a presença desses grupos historicamente não presentes nos espaços acadêmicos e precisa ser multiplicada, e as cotas continuarão fazendo parte deste processo.

Reiteramos que as cotas para ingresso no ensino superior vêm abrindo portas para pessoas negras e vão continuar abrindo! Hoje negros e negras das regiões brasileiras menos acessíveis, comparadas às regiões economicamente mais potentes do País, estão modificando a cor da maior universidade da América Latina nos cursos de graduação e em muitas outras universidades públicas do nosso país, e com a reformulação da lei de cotas, seremos mais negros, indígenas, quilombolas, pessoas com deficiências nos programas de pós-graduação, pós-doutorados e ocupando cargos de docentes no Brasil.

E acreditamos que seja por meio de ações afirmativas para acesso à pós-graduação, como proposto pelo Grupo de Apoio às Ações Afirmativas da Pró-Reitoria de Pós-Graduação, os editais para pós-docs negras e negros da Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação, ou seja, por meio de concursos para docentes que possam, de fato, entender a importância de um corpo docente plural e que contribua com as transversalidades e interseccionalidades da nossa sociedade e academia.

Em mais de dez anos de cotas para ingresso nas universidades, muitos negros de regiões consideradas com baixo índice de desenvolvimento humano puderam acessar espaços, lugares e ocupar cargos que os seus pais e ou familiares não puderam. Por isso nós acreditamos e podemos falar que criar oportunidades é a porta para transformar a vida de milhares de mulheres e homens (cis, trans e travestis) negros(as), indígenas e quilombolas do nosso país. E uma frase que não poderá sair das nossas mentes, são os jovens de hoje que vão mudar nosso país no futuro, e será um sonho poder chegar ao futuro e ver que em nosso país miscigenado não existe mais desigualdade!

Como mudar o País sem proporcionar acesso?

A educação transforma vidas e as cotas abrem portas, nós podemos provar isso!

________________
(As opiniões expressas nos artigos publicados no Jornal da USP são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem opiniões do veículo nem posições institucionais da Universidade de São Paulo. Acesse aqui nossos parâmetros editoriais para artigos de opinião.)





Source link

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Print
plugins premium WordPress