Terms & Conditions

We have Recently updated our Terms and Conditions. Please read and accept the terms and conditions in order to access the site

Current Version: 1

Privacy Policy

We have Recently updated our Privacy Policy. Please read and accept the Privacy Policy in order to access the site

Current Version: 1

Paulista - SP

Brasilia - DF

EnglishעִבְרִיתPortuguêsEspañol

Sobrecarga de atividades no início da maternidade pode acarretar a síndrome de burnout – Jornal da USP

20231030_sindrome.jpg


Segundo especialistas, o problema está associado aos aspectos e vivências da maternidade, como a dedicação, e pode ser mais comum em mães de primeira viagem

Por

20231030 sindrome20231030 sindrome
O burnout é um estado mental que não tem limites e a ausência de sintomas definidos dificulta a obtenção de um diagnóstico preciso – Foto: Pressfoto/Freepik
radio usp ao vivoradio usp ao vivo

A palavra em inglês burnout, pode ser traduzida para o português como “esgotamento”, segundo o dicionário Cambrigde. É dessa forma que os acometidos pela síndrome que leva esse nome se sentem: esgotados por questões ligadas à condições estressantes de trabalho. Em 2022, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a síndrome de burnout como uma doença ocupacional, causada por um estresse crônico de trabalho mal administrado.  

Essa condição complicada, atualmente, ganhou mais uma camada diretamente do universo parental: uma síndrome de burnout que acomete mulheres que têm filhos, chamada de burnout materno. 

Síndrome de burnout e burnout materno 

Teng Chei Tung, médico do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, explica que, no burnout materno, a ideia de sobrecarga – sentida pelos acometidos pela síndrome de burnout – também existe, mas está associada aos aspectos e vivências da maternidade, como a dedicação, e pode ser mais comum em mães de primeira viagem ou durante os primeiros meses pós-parto, devido à falta de experiência nos cuidados com os bebês e à elevada carga de tempo demandada.

20231109 teng20231109 teng
Teng Chei Tung – Foto: Francisco Emolo – USP Imagens

“Pode envolver trabalho profissional, mas envolve todos os outros aspectos da vida pessoal, da vida familiar, dos compromissos domésticos – coisas que estão relacionadas com esse estado de ser mãe”, comenta Tung. 

O burnout é um estado mental que não tem limites e a ausência de sintomas definidos dificulta a obtenção de um diagnóstico preciso. O médico explica que existem outras condições que acometem mães e que possuem sintomas semelhantes aos apresentados pelas mulheres que apresentam o burnout materno. 

O blues puerperal é um transtorno em que a mãe apresenta sintomas depressivos que acontecem, geralmente, no primeiro mês, e costuma durar entre sete e dez dias, menos de duas semanas. “Os sintomas fazem a mulher pensar ‘acho que não vou dar conta da criança’, e começa a chorar… mas isso passa, é rápido. Até 50% das mulheres têm momentos assim, que ficam flutuando, e isso é considerado uma reação normal e não merece tratamento formal, só um suporte.”

Além dessa condição, algumas mulheres também experienciam sintomas de depressão pós-parto, doença em que as mães apresentam sintomas de tristeza profunda, insônia, alteração no apetite, desânimo, culpa e se sentem incapazes. De acordo com Tung, esse é o quadro mais grave e geralmente dura mais de duas semanas. Se os sintomas forem fortes e incapacitantes, as mulheres devem procurar tratamento. 

Possíveis prevenções 

Não é possível prever se alguém terá um transtorno mental, mas é possível tomar alguns cuidados para prevenir sobrecargas excessivas. Sigmar Malvezzi, professor do Departamento de Psicologia Social e do Trabalho do Instituto de Psicologia da USP, acredita que a melhor forma de realizar essa prevenção é através do apoio de alguém próximo à mãe que seja de confiança e que consiga auxiliá-la de maneira empática, interpretando sinais e confortando a mulher. 

Essa ajuda pode ser iniciada durante a gestação, através de processos de educação e um suporte psicossocial bem orientado. Na fase mais aguda pós-parto, o auxílio de terceiros com habilidades e mais experiência pode servir de apoio para as mães. 

Sob supervisão de Paulo Capuzzo e Cinderela Caldeira


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 





Source link

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Print
plugins premium WordPress