Terms & Conditions

We have Recently updated our Terms and Conditions. Please read and accept the terms and conditions in order to access the site

Current Version: 1

Privacy Policy

We have Recently updated our Privacy Policy. Please read and accept the Privacy Policy in order to access the site

Current Version: 1

Paulista - SP

Brasilia - DF

EnglishעִבְרִיתPortuguêsEspañol

Enquanto alguns paravam a USP, outros trabalhavam por ela – Jornal da USP

20210407_Floriano-Azevedo-Marques-Neto.jpg


Enquanto estudantes impunham à Universidade de São Paulo (USP) uma paralisação em torno de temas que oscilavam entre a reposição de professores e aumento das bolsas de permanência (medidas já em adiantada implementação pela Reitoria) a pleitos abilolados, uma grave ameaça real pouco era percebida.

Com a importante reforma tributária tramitando no Congresso Nacional, a autonomia financeira e administrativa das universidades paulistas correu sério risco. Essa autonomia, assegurada desde os anos 80, é a grande responsável pela excelência da USP, da Unicamp e da Unesp. Possibilitou que as três estivessem sempre na liderança dos rankings de melhores universidades do Brasil e da América Latina. Ela garante que uma parcela dos tributos estaduais seja destinada, obrigatória e automaticamente, para as três instituições, evitando que a cada ano se tenha de negociar orçamento com o governo estadual e a Assembleia.

Com recursos assegurados (ainda que variando em função das oscilações na arrecadação), as universidades têm previsibilidade, liberdade acadêmica e podem se comprometer com recursos para projetos de pesquisa de mais longo prazo. Isso evita que, a cada ano, tenham de pelejar por recursos, o que, além da incerteza, absorveria energias mais bem canalizadas para o ensino, a pesquisa e a extensão.

Esforço silencioso garantiu a continuidade da autonomia financeira das universidades paulistas na reforma tributária

A autonomia, ademais, protege as universidades de ingerências políticas do governo de turno ou das forças que queiram instrumentalizá-las para seus projetos políticos. Porém essa autonomia tinha por base norma infralegal (decretos) e atrelada a uma parcela do ICMS, extinto com a reforma. Se nada fosse feito, hoje estaríamos desprotegidos pelo fim desse imposto estadual.

Preocupados com isso, alguns professores começaram um trabalho silencioso com o Congresso para tentar inserir na reforma um dispositivo que preservasse essa autonomia e determinasse que o Estado a regulamente. Passamos a ter um respaldo constitucional e asseguramos a manutenção do regime atual até que venha uma emenda à Constituição Estadual sem retrocesso.

O trabalho quase se tornou inviável, pelas cenas de carteiras empilhadas bloqueando o acesso a prédios universitários, professores sendo hostilizados nos campi e notícias de constrangimentos de toda ordem. Mas a força das universidades paulistas pesou mais. Com a anuência do reitor Carlos Gilberto Carlotti Junior e o apoio de primeira hora do professor e ministro Fernando Haddad (uspiano) e do secretário Bernard Appy (formado na Unicamp), a Comissão de Educação do Senado, formada pelos senadores Jorge Cajuru, Dorinha e Flávio Arns, apresentou emenda para garantir o destino das verbas.

O relator, senador Eduardo Braga, prontamente a acolheu e o plenário do Senado aprovou. Da mesma maneira, retornando à Câmara dos Deputados, a emenda encontrou apoio do relator, deputado Agnaldo Ribeiro, e do presidente da Câmara, Arthur Lira. Os § 1.º e § 2.º do artigo 6.º da Emenda Constitucional consagraram essa vitória. É certo que ainda há o desafio da regulamentação estadual, mas com a garantia constitucional isso fica um tanto menos difícil.

Para chegar a essa conquista, pesaram, claro, a excelência das três universidades e a relevância do que oferecem ao País, algo que ficou mais explícito ainda durante a pandemia. Mas contou muito o trabalho dedicado de alguns professores de distintas unidades da USP. Ministros, ex-ministros, médicos, juristas, vários se dispuseram a conversar com parlamentares e expor a importância da medida. De forma discreta, não confrontacional e objetiva, como deve ser com quem defende causas justas.

Nomear todos e todas que participaram deste esforço, embora não sejam tantos assim, poderia gerar injustiças. Mas três merecem destaque: os ministros Fernando Haddad e Alexandre de Moraes (este do Supremo Tribunal Federal) e o professor Fernando Facury Scaff. A eles fica a homenagem, minha e da universidade que se leva a sério.

(Artigo originalmente publicado na versão digital do jornal O Estado de S. Paulo, em 22/12/23)

(As opiniões expressas nos artigos publicados no Jornal da USP são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem opiniões do veículo nem posições institucionais da Universidade de São Paulo. Acesse aqui nossos parâmetros editoriais para artigos de opinião.)





Source link

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Print
plugins premium WordPress